O tarado, a mulher e a bicicleta

De volta das férias de janeiro, estava à busca de algo para recomeçar o blog com energias renovadas quando minha cunhada compartilhou, no facebook, esta tirinha do Blog Kisuki:


Num primeiro momento, na fluidez etérea do facebook, confesso que pensei: não é motivo para não andar de bicicleta. Obviamente sem intenção de desprezar ou minimizar o trauma, mas porque não vi mesmo, de imediato, uma relação causa-consequência.

Porém, sabia que um sentimento muito profundo foi colocado na tirinha, pois a intenção foi um fazer artístico. E a arte nunca se revela à primeira vista. Fiquei dias e dias com isto pensando e pesando na minha cabeça.

A catarse é uma das funções da arte, ao provocar uma descarga de emoções que limpa e purifica a pessoa, ao reviver a realidade mimetizada (imitada, não-real). Esta foi minha segunda leitura da tirinha: os quadrinhos narram o drama – a tragédia –  como forma de purgar a violência, o medo, o trauma.

Entretanto há muito mais, e muito mais denso e mais alto. Um símbolo carrega várias camadas de significado. Uma palavra tem história e faz história, e muitas vezes nós usamos palavras, ou símbolos, sem explicitar conscientemente toda sua bagagem de significado. Uma artista pode ir além e, sabendo ou sentindo significados ocultos, lapidá-los ao produzir arte.

A bicicleta teve uma importância decisiva no movimento de liberação feminina.

Um (longo!) artigo publicado pela revista Cranked Magazine mostra a importância da bicicleta na liberação feminina que começou no final da Era Vitoriana (década de 1890).

A revolução industrial trouxe uma série de mudanças sociais, entre as quais uma elite que gastava seu tempo livre se divertindo com esportes.
A bicicleta, inventada em 1817, e suas evoluções posteriores, tinha um design que impediu, por décadas, as mulheres andarem de bicicleta – elas só podiam usar saia bufante e espartilho. Imagina fazer isto numa penny-farthing…

Bicicleta extremamente instável e perigosa para os homens. E as mulheres ainda tinham que andar na bicicleta sentadas de lado – como andavam nos cavalos (saiba o porquê deste “hábito” mais à frente). Imagina como deveria ser “fácil”!!

Muitos construtores, por razões do mercado crescente, tentaram desenvolver modelos que fossem adequados às mulheres, mas sem grande sucesso. No final da década de 1870, surgiu o modelo “safety bicycle”, com praticamente o mesmo desenho que temos hoje.

Penny Farthing (esquerda) e Safety bicycle

A invenção dos pneus de borracha foi, na mesma época, outro avanço significativo. Juntos, deram origem a uma bicicleta menor, mais segura, mais fácil de dirigir e mais confortável. E a popularidade da bicicleta como veículo explodiu por volta de 1890 (antes da invenção do automóvel, é sempre bom lembrar).

Para as mulheres, a luta inicial foi pelo direito de simplesmente andar de bicicleta. Naquela época, esporte e máquinas eram coisas exclusivas de homens. Vários críticos diziam que andar de bicicleta prejudicava a saúde física e mental da mulher. O “corpo frágil” da mulher era uma justificativa sempre usada. Mas o maior argumento contra o uso da bicicleta por mulheres era que isto seria “uma agressão ao tecido moral da sociedade”. A suposição de que andar de bicicleta poderia ser sexualmente estimulante para as mulheres foi uma preocupação muito popular. Diversos selins “higiênicos” foram desenhados com a intenção de prevenir, evitando que a genitália feminina entrasse em contato com o banco da bicicleta. Como se vê, de fato não estavam preocupados com o “corpo frágil” feminino, mas com sua moral.

Esta cena do filme Mädchen, Mädchen toca no ponto:

Com o uso da bicicleta, as mulheres também puderam se livrar das amarras de sua casa ou trabalho e passaram a experimentar um novo tipo de liberdade. Porém, a simples liberdade de mobilidade da mulher foi considerada inaceitável, quase imoral. A mulher ciclista, podendo ir e vir na cidade e arredores, sem depender dos maridos, e sem as damas-de-companhia, foi tratada como uma ameaça à sociedade e traria o colapso da moral e das boas maneiras!!

À medida que foi sendo aos poucos aceita, primeiramente em ginásios fechados, depois em clubes, a mulher de bicicleta trouxe consigo uma revolução gigantesca.

The bicycle…has been responsible for more movement in manners and morals than anything since Charles the Second. Under its influence, wholly or in part, have wilted chaperones, long and narrow skirts, tight corsets, hair that would come down, black stockings, thick ankles, large hats, prudery and fear of the dark; under its influence, wholly or in part, have blossomed weekends, strong nerves, strong legs, strong language, knickers, knowledge of make and shape, knowledge of woods and pastures, equality of sex, good digestion and professional occupation—in four words, the emancipation of women.

John Gallsworthy (Debate, 6)

“A bicicleta … tem sido responsável por mais mudanças nos costumes e na moral do que qualquer coisa, desde Carlos II. Sob sua influência, no todo ou em parte, desapareceram as damas-de-honra, as saias longas e estreitas, os espartilhos apertados, o cabelo comprido, as meias pretas, os tornozelos grossos, os grandes chapéus, o pudor e o medo do escuro; sob sua influência, no todo ou em parte, floresceram os fins de semana, os nervos fortes, as pernas fortes, a linguagem forte, calcinhas, o conhecimento do bem estar, o conhecimento da floresta e pastagens, a igualdade entre os sexos, uma boa digestão e a ocupação profissional, em quatro palavras, a emancipação das mulheres”. (John Gallsworthy)

Não são os homens que dizem! Elizabeth Cady Stanton, uma das principais líderes do movimento sufragista, anteviu o poder da bicicleta em transformar a vida das mulheres. Por volta de 1895, embora tivesse 80 anos, ela disse para um artigo da American Wheelman,  “the bicycle will inspire women with more courage, self-respect, self-reliance…”

Uma amiga de Stanton, companheira das lutas sufragistas, também jovem de espírito aos 76 anos, disse:

Let me tell you what I think of bicycling. I think it has done more to emancipate women than anything else in the world. It gives women a feeling of freedom and self-reliance. I stand and rejoice every time I see a woman ride by on a wheel…the picture of free, untrammeled womanhood.

Susan B Anthony.

“Deixe-me dizer o que eu penso de bicicleta. Eu acho que tem feito mais para emancipar as mulheres do que qualquer outra coisa no mundo. Dá à mulher uma sensação de liberdade e auto-suficiência. Eu paro e me alegro toda vez que vejo uma mulher andando de bicicleta… o retrato da liberdade de ser mulher livre de normas e controles” (Susan B. Anthony)

Tessie Reynolds, uma garota de 16 anos, que em 1893 pedalou de Londres a Brighton, ida e volta, em 8 horas, está entre estas heroínas do passado, que desconstroem a história fazendo coisas.

No Brasil, Veridiana da Silva Prado, aristocrata e intelectual, mandou construir um velódromo dentro de sua Chácara Vila Maria, em São Paulo, onde patrocinava corridas de bicicletas, importando a moda vigente na Europa, naquele final do século XIX.

Época em que a bicicleta simbolizou a essência da “Nova Mulher”, jovem, educada, praticante de esportes, interessada na carreira profissional, independente.

Com elas, aprendemos que a solução não virá para a mulher, mas somente pelas mulheres. Quando sua identidade não mais depender do homem: ser uma esposa (por um contrato societário de divisão de bens) ou uma virgem (a ser escolhida como esposa). Continua valendo até hoje.


Para saber mais, lê Pedaling the Path to Freedom: American Women on Bicycles e Wikipedia.

A Nova Mulher, em sua bicicleta, transformou-se num emblema de emancipação tão grande que, em 1897, quando estudantes homens de Cambridge protestaram contra a admissão de mulheres, enforcaram uma efígie de mulher pedalando uma bicicleta, evento que ficou registrado no tempo por esta foto:

hanging_woman

Toda esta curva histórica faz voltar à tirinha:

A bicicleta como símbolo da liberdade feminina – ao mesmo tempo metáfora e metonímia – e ferramenta para alcançá-la, liberação duramente conseguida ao longo dos últimos 150 anos.
A bicicleta abandonada pela Thaïs é a liberdade feminina ultrajada, reprimida e violentada pelo machismo.

Mas… o que é o machismo?
É a crença que os homens são superiores às mulheres.
É a extrema valorização de características culturais vinculadas ao masculino e, ao mesmo tempo, um extremo menosprezo das características vinculadas ao feminino.

Como toda crença ou fé, deriva de suposições mentais autossugestionadas, que, por sua vez, são reforçadas socialmente. O machismo e outros ismos alimentam-se de si mesmo, por isto são tão fortes e agressivos e difíceis de combater.

Na América Latina o machismo tem sua contraparte no marianismo, uma visão religiosa dos gêneros, na qual a mulher é pura, dotada de uma força moral superior, que lhe permite uma capacidade infinita de humildade e sacrifício. Ou seja, grosso modo, a mulher “deve suportar tudo que vem dos homens”.

As três principais religiões abraâmicas, além de monoteístas, são patriarcais e machistas. Por outro lado, a maioria das religiões pagãs são matriarcais, as deusas são criadoras do Universo, geram a vida, a cultura – numa alusão óbvia à gestação feminina – e simbolicamente eram muitas vezes representadas por Árvores ou serpentes.

Lilith – pintura de John Collier (1850-1934)

Se você lembrou o Gênesis, acertou! A primeira narrativa bíblica é uma alegoria de um fato histórico e descreve o processo pelo qual sociedades matriarcais tradicionais foram substituídas por sociedades patriarcais. Quando o deus-pai tomou o lugar da deusa-mãe (Árvore da Vida / Serpente).

OK. Sabemos o que é o machismo e em que bases sociais ele se sustenta. Mas fica a pergunta: por que o machismo? Por que o homem precisa se sentir superior à mulher?

Dizer que a mulher dá a vida é uma figura de metonímia. Sem o homem, ela não poderia dar a vida – a menos que fossem partenogênicas, como salamandras, ou ginogênicas (o macho serve apenas para estimular a produção de óvulos, mas o embrião se desenvolve só com os genes maternos).

Mas, SIM, apenas a mulher tem o poder natural da gestação, de receber e nutrir a vida, com útero e seios.

Pachamama, deusa andina

Um homem para ser pai precisa de uma mulher. Mas a mulher pode ser mãe quando quiser. É ela quem faz a vida acontecer. Não por mero acaso ou coincidência, a personificação da Morte é também feminina em quase todas as culturas. Poder de vida e morte.

No processo de evolução é assim: na maioria das espécies, a fêmea escolhe o macho, processo conhecido como seleção sexual, mate choice ou female choice. Biologicamente falando, homens, somos apenas um reservatório de esperma. Isto é muito para a mentalidade do macho humano. Para contrapor esta servidão biológica, foi forjado um poder social, culturalmente reforçado, que foi construído a partir da maior força muscular e agressividade do homem.

Machismo é um misto de inveja do poder vital feminino e frustração dos homens por não serem desejados.

Então, ô tarado, da próxima vez que vir uma mulher andando de bicicleta, não importa como esteja vestida,

saiba que cantadas, buzinadinhas, assédios e outros gracejos indiscretos nada mais são do que manifestações da inferioridade do macho. Exatamente o oposto da sedução e da conquista.

Em vez disso, seja homem. Pare. Peça inspiração para as deusas e alegre-se: uma mulher de bicicleta é o retrato da liberdade feminina.

Nós só temos a ganhar com isto.

[.]

11 comentários sobre “O tarado, a mulher e a bicicleta

  1. O texto é maravilhoso, sem dúvida! Aliás, parabéns a autora!! Mas era mais fácil pensar que a garota da bicicleta gostou mais do ato praticado, se aproveitou e preferiu deixar a bicicleta de lado e sentir prazer…kkkkkkk 😉 Amo vocês, mulheres, as tenho como Deusas, Rainhas, não vivo sem vocês e sou completamente contra o machismo, inclusive adoro estar sob seus pés, mas… as vezes vocês pensam demais…rsrs 😉

  2. Parabéns pela pesquisa, outros teriam preferido a facilidade da primeira resposta frente à tirinha, ao invés de pedalar até novas fronteiras conceituais. A mim me ocorreu coisa parecida que à autora da tirinha, mas com a música dos Raimundos (“eu queria ser o banquinho da bicicleta…”) sendo cantada por vários colegas… como o assédio sexual naquela época (12 anos) era frequente, eu não conseguia tolerar acúmulo dele, e parei de andar de bicicleta para evitar inconvenientes. Para mim foi emocionante ler seu texto. Obrigara por participar, e fortalecer a luta feminina!

  3. Parabéns pelo Blog, estava procurando por “criação de blogs” e acabei caindo no seu, o que tornou-se um bom exemplo, por esse e por outros post mostra que sabe escrever muito bem e não é redundante ou supérfluo, sem, é claro, tornar a leitura desagradável.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s